Ordem de São Bento

Contato:

Mosteiro da Transfiguração

Fome: (55)3512-6193  /(55) 3512-6024

E-mail: mosteiro@transfiguracao.com.br

Site: https://www.transfiguracao.com.br/o-mosteiro/vocacional/

Instagram: transfiguração_rs

Carisma:

 

A Vida Monástica define-se pela escolha de um modo de vida que é ao mesmo tempo marginal e implicitamente crítico em relação à sociedade de consumo. Não é uma fuga, mas um despojar-se de si mesmo para tomar a cruz e seguir o Cristo.

 

A comunidade, “Escola do serviço do Senhor”, reúne-se em torno de um pai, o Abade, sinal de Deus, que é Pai. Na vida comunitária, o monge aprende a arte de perdoar e amar e de permitir que sua personalidade gradualmente se complete com as riquezas dos outros. Este processo de crescimento alimenta-se no diálogo constante, pessoal e comunitário, com Deus , na oração – verdadeira respiração vital da presença do Espírito. E à oração une-se, naturalmente, o trabalho manual ou intelectual, realizado por todos em espírito de oferenda e como serviço aos homens.

 

“Nossa vida não se situa dentro da categoria da utilidade, mas da símbolica: Ela é como a pequena lâmpada que brilha dentro de uma igreja, lembrando a todos, que ai esta ‘Alguém’.”

 

Vocações e Formação:

 

Aquele que deseja ingressar no mosteiro percebe um chamado. Falar de chamado à vida monástica, é significar que toda iniciativa na vida do monge vem de Deus. Ninguém “torna-se monge” – expressão mais comum, mas pouco pertinente, pois dá a entender que a parte essencial vem da força de vontade. Antes de tudo, é uma questão de desejo: somos apreendidos por esta vida, por esta determinada comunidade, por esta forma de rezar, antes mesmo de compreender o que ela é. Portanto, ser monge é uma vocação. É Deus quem chama à vida monástica. Ninguém dá a si mesmo uma vocação. Mas, como saber se Deus me chama à vida monástica?

 

Como dito acima, trata-se de um desejo do coração. Deus é único capaz de penetrar a intimidade de nosso coração e lá fazer nascer o desejo de segui-lo numa vida de amizade mais profunda com ele. Quando alguém se sente atraído pela vida monástica, deve este empreender uma caminhada de discernimento para verificar se esse desejo corresponde efetivamente a um chamado de Deus. Deve pedir a Deus em oração para que o ilumine, deve consultar pessoas que sejam experientes nesta questão e que o conheçam bem (um diretor espiritual, por exemplo). Se o desejo perdurar, recomendamos entrar em contato com o Mestre de Noviços, que é o monge responsável pela acolhida e pela formação dos futuros monges. Sobre isso, daremos mais informações a seguir.

 

Etapas de adesão à vida monástica:

 

1º A Experiência (3 meses): após alguns dias (de uma a duas semanas, no máximo, conforme nosso discernimento) na hospedaria em contato com o Mestre de Noviços, aquele que aspira à vida monástica poderá ser convidado a fazer uma experiência de vida monástica dentro da clausura, vivendo o período de três meses no Noviciado do Mosteiro.

2º O Postulantado (1 ano): aquele para quem, segundo o discernimento conjunto com o Mestre de Noviços, esta primeira experiência revelar-se positiva pode pedir para entrar no mosteiro, na condição de “postulante”, durante 1 ano, vivendo no ritmo do grupo dos noviços. Receberá um hábito de postulante, e passará a ser chamado de “irmão”.

3º O Noviciado (2 anos): é o momento da vestição, em que o postulante recebe o hábito monástico e um “novo nome” religioso, discernido pelo Superior. Esta etapa dura dois anos.

4º A Profissão Temporária (3 anos): a seu pedido, e após votação comunitária, o irmão noviço pode ser admitido a pronunciar publicamente seus votos religiosos (estabilidade, obediência e conversão de vida) por um período limitado, mas de ao menos três anos (renovados a cada ano).

5º A Profissão Solene (ou Perpétua): é o compromisso definitivo pelo qual o irmão torna-se plenamente um membro da comunidade.

 

 

Presença dos Monges, em nossa Diocese:

 

O Fundador do Mosteiro da Transfiguração, Dom Cristiano Collart OSB, é um monge belga. Nascido em 16 de novembro de 1943, entrou na Abadia de Mont César (Louvain, Bélgica) a 1º de setembro de 1962, fez profissão monástica em 23 de maio de 1965 e recebeu a Ordenação Sacerdotal a 23 de setembro de 1972. Cursou dois anos de Ciências Religiosas na Universidade de Louvain, dois anos de Filosofia no Studium da Abadia de Maredsous e quatro anos de Teologia no Seminário de Namur, ligado à Universidade de Louvain, onde também cursou dois anos de especialização em Sagrada Liturgia. Trabalhou doze anos em fundação monástica da Abadia de Maredsous: o Mosteiro São João Evangelista de Quevy-le-Grand.Dom Cristiano, osb – 1999

O Mosteiro da Transfiguração foi fundado na diocese de Santo Amaro (SP) no dia 15 de agosto de 1996. Foi transferido para a diocese de Santo Ângelo (RS) em novembro de 1999 e assumido pelo Sr. Bispo diocesano Dom Estanislau Amadeu Kreutz, bispo da mesma diocese.

Em 11 de agosto de 2010 o mosteiro foi incorporado à Província Hispânica da Congregação Beneditina SublacenseCassinense – uma família de mosteiros presente nos cinco continentes -, e elevado à condição de priorado conventual “sui juris”. A Congregação, por sua vez, está ligada à Confederação Beneditina (mais comumente chamada de “Ordem de São Bento”). No Brasil, fazem parte da Congregação Beneditina SublacenseCassinense a Abadia da Ressurreição (Ponta Grossa, PR) e o Mosteiro da Transfiguração.

Mosteiro da Transfiguração
Mosteiro da Transfiguração

press to zoom
Mosteiro da Transfiguração
Mosteiro da Transfiguração

press to zoom
Mosteiro da Transfiguração
Mosteiro da Transfiguração

press to zoom
Mosteiro da Transfiguração
Mosteiro da Transfiguração

press to zoom
1/17