Caaró acolhe Seminário de Alternativas à Cultura do Fumo

No dia 17 de maio, o Santuário de Caaró, em Caibaté, acolheu o 32º Seminário de Alternativas à Cultura do Fumo. Este ano o seminário teve por tema: Mudanças climáticas e pobreza rural. O evento contou com a presença de Dom Liro Vendelino Meurer, Bispo Diocesano, e foi assessorado pelo Frei Sérgio Gorge. Apesar do frio o seminário reuniu inúmeras lideranças de movimentos sociais, como destaque ao Movimento de Mulheres Campesinas, Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, e da Comissão Pastoral da Terra, jovens rurais estudantes das casas familiares/escolas rurais, comunidades das dioceses de Santa Maria, Santo Ângelo e Cruz Alta, bem como a participação da assessora da Cáritas RS, Eliane Brochet refletimos e celebramos neste lugar sagrado nas Missões.

Confira a Carta do 32º Seminário de Alternativas à Cultura do Fumo:


32º Seminário de Alternativas à Cultura do Fumo

Tema: Mudanças climáticas e Pobreza Rural

Reunidos num dia muito frio e marcados pela espiritualidade do Santuário do Caaró, dezenas de pessoas estiveram envolvidas num marco da história das trinta e duas edições dos seminários que discutem alternativas à cultura do fumo e as diferentes monoculturas que ameaçam o universo da produção diversificada no Rio Grande do Sul.

Para além da espiritualidade dos Mártires das Missões, resgatou a mística Guarani, bem como dos povos negros com espiritualidade que foram pontos forte nesse 32º Seminário.

Com a presença de Dom Liro Vendelino Meurer, bispo diocesano, assessor Frei Sérgio Gorgen e inúmeras lideranças de movimentos sociais, como destaque ao Movimento de Mulheres Campesinas, Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, e da Comissão Pastoral da Terra, jovens rurais estudantes das casas familiares/escolas rurais, comunidades das dioceses de Santa Maria, Santo Ângelo e Cruz Alta, bem como a participação da assessora da Cáritas RS, Eliane Brochet refletimos e celebramos neste lugar sagrado nas Missões.

A temática do conflito existente entre a cultura do fumo, as monoculturas e a produção de alimentos sempre foi uma pauta destes seminários. Na área de abrangência das quarenta paróquias da Diocese de Santo Ângelo a cultura do fumo ainda está presente em três municípios, sendo a cultura da soja o principal conflito versus a produção diversificada de alimento, na saúde pública e na conservação e preservação ambiental.

Neste ano devido a severa estiagem que assolou quase todo o Rio Grande do Sul, o 32º Seminário Estadual de Alternativas à Cultura do Fumo visou refletir os impactos desta estiagem na biodiversidade e na produção de alimentos, tendo como principal questionamento como as mudanças climáticas vem impactando na renda e na sobrevivência das pessoas do meio rural?

A partir desse questionamento foi refletido sobre a pedagogia da alternância como uma ferramenta pedagógica para educação do campo e a valorização do modo de vida rural, bem como a necessidade de reforma agrária com políticas de crédito agrário inclusivo com acesso para os jovens.

O Seminário também articulou experiências de agroecologia, de economia popular solidária e cooperativismo as quais constroem ações para o enfrentamento a cultura do tabaco, a pobreza rural, e a degradação ambiental. Outra preocupação é o cuidado com a saúde dos agricultores familiares, a defesa dos territórios das comunidades indígenas e quilombolas e dos bens comuns da humanidade como as sementes crioulas, as águas, a flora e a fauna silvestre, trazendo presente as alternativas de produção de energias renováveis.

O evento foi um momento de celebração, de reflexão, de intercâmbio de experiências e de construção coletiva e de resistência ao sistema produtivo que mata nossa biodiversidade e acelera a degradação do planeta.


Caaró, Caibaté, Diocese de Santo Ângelo, 17 de maio de 2022


Confira as fotos:



Notícias em Destaque
Notícias Recentes