Medo. Rosto triste. Aflição. Incertezas. Decepções. Sensação de fracasso. Desencanto. Desânimo. Eis aspectos do “estado de espírito” daqueles caminhantes, como que fugitivos, para Emaús. Sentiam o coração perturbado, a esperança esvaziada. “Lentos” para compreender o que sucedia em sua vida. A companhia do “estranho” peregrino, seu jeito de perguntar, os escutar e, em especial, de lhes falar ao coração os ajudou a ver de maneira nova. Mais tarde dizem: “não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?” (Lc 24,32)

Contrariedades e ameaças causam “aperto” no coração. Em tais situações as pessoas não buscam explicações. Desejam a companhia de um coração cheio de compaixão. Que se lhes mostre acolhedor e compreensivo. E esperam que se lhes dirija palavras ao coração, consolo, amparo e que encorajem. Que encante e entusiasme o seu coração.

Na comunidade de fé surgem realidades que desalentam o coração de seus participantes. Para tais situações é decisiva a animação bíblica da pastoral. Desperta as pessoas para “escutar a Palavra com um coração bem disposto e bom”. Desse modo, afirmam os bispos: “a Palavra revelada, comunicada, explicada, vivida, celebrada e testemunhada, torna-se a luz para sua vida pessoal e para a vida dos outros, capacitando a responder com um coração nobre e generoso ao chamado do Senhor”.


O coração arde...

A companhia no caminho, a escuta atenciosa e a palavra oportuna do “peregrino”, que se aproximara, ajudou a ‘aquecer’ o coração dos discípulos caminhantes. Seu coração se animou a ponto de convidarem o ‘estranho’ a entrar em sua casa. E, com o coração generoso, partilham com o visitante seu singelo pão de cada dia. Este gesto “cordial” (de coração!) os faz vencer suas cegueiras e dificuldades. De seu coração emerge a certeza: Jesus ressuscitado está presente em sua vida.

Tanto a tradição bíblica quanto a experiência popular utilizam expressões como ‘coração duro’, “coração de pedra”, ‘frieza de coração’ e outras tantas. Com elas mencionam a insensibilidade, ingratidão e outras dificuldades na convivência fraterna. Necessitam de palavra que faça arder o coração.

Na vida das pessoas e comunidades, importa favorecer jeitos que ajudem na maior familiaridade com textos bíblicos. Não esquecer, porém, que mais do que ler e apenas entender (“cabeça”, razão!) é decisivo escutar e acolher (“coração”, afeto!) a Palavra de Deus. Mais do que conhecimento, necessita tornar-se força na vida de quem a acolhe (internaliza!) e se deixa conduzir por Ela. Que faça arder o coração das pessoas; “caso contrário, o coração fica frio”, lembra o Papa Francisco.


Animação bíblica, ‘coração’ da pastoral...


O texto bíblico lembra: “esta palavra está bem ao teu alcance, está em tua boca e em teu coração, para que a possas cumprir” (Dt 30,14). Do coração aquecido pela força da Palavra ‘brotam’ palavras de alento a quem vive aflito; surgem atitudes de compaixão com quem sofre as desventuras da vida; ‘nascem’ gestos solidários a fortalecer a busca da paz.

A animação bíblica da pastoral constitui-se como este “espírito criativo”, a estar presente em toda vida comunitária, ajudando as pessoas “a descobrir a Palavra de Deus como fonte de vida que fortalece a fé, renova a esperança e ensina a viver a caridade fraterna”. Impulsiona as pessoas a viver “ao ritmo da Palavra” em todas as iniciativas em prol da vida “com um coração dócil e humilde”, mas que seja, ao mesmo tempo, coração que “arde” no amor. Sentes teu coração “arder”?


Pe. Carlos José Griebeler

Notícias em Destaque
Notícias Recentes

CÚRIA  DIOCESANA

Rua Marquês do Herval, 1113

CEP 98801-640

Caixa Postal 1090 - CEP 98801-610

Santo Ângelo - RS – Brasil

Tel.: 55 3313-5263; 55 3313-5308

Diocese logo original.png