Dom Liro ordena Diácono o seminarista Magnos Giovani Hartmann

05/12/2016

Em celebração na Catedral em Santo Ângelo, às 19h, na última sexta-feira, 02 de dezembro de 2016, o bispo Dom Liro Vendelino Meurer ordenou Diácono o seminarista de teologia Magnos Giovani Hartmann. Magnos será ordenado padre durante o ano de 2017. A missa presidida pelo bispo, Dom Liro Vendelino Meurer foi concelebrada por vários padres e assistida por um grande número de fiéis, familiares e amigos do Magnos. Em sua homilia o bispo destacou o lema de ordenação do Magnos: “Eis-me aqui envia-me” (Is 6, 8) e as funções do diácono na Igreja.

 

BREVE HISTÓRICO do Magnos

 

Magnos Giovani Hartmann nasceu no dia 2 de outubro de 1989, em Linha Nova Sul, comunidade de São Marcos, Porto Lucena. É filho de Leo Hartmann e de Elci Madalena Semprebom Hartmann, e irmão de Jéssica Hartmann.

A semente de sua vocação ao ministério ordenado foi plantada pela própria família, pela comunidade da qual a família sempre participou e pelos padres que com dedicação e alegria atuavam na sua paróquia.

Entrou no Seminário São José, de Cerro Largo, em 2005, onde permaneceu até 2009, cursando o Ensino Médio e o Propedêutico. Foi acompanhado, nesse período, pelos padres Cenir Sturm, Volmir Tusset, Cassiano Czermaneski, Rafael Backes e Valcir Puhl.

De 2010 a 2012, morou em Passo Fundo, na Casa de Formação Santo Ângelo, sendo acompanhado pelos assistentes padres Carlos Griebeler e Rafael Backes. Nesse período, cursou Filosofia no Instituto de Filosofia Berthier, IFIBE.

Desde 2013 até o presente momento, mora no Teologado Mártires das Missões, sendo acompanhado pelo Pe. Fábio César Junges. Nesses quatro anos, cursou Teologia, no Instituto Missioneiro de Teologia, convênio com a URI.

 

Homilia da Dom Liro

 

Saudação: Pe. Rosalvo, padres presentes, seminaristas e outros vocacionados, religiosos e religiosas, os pais e irmã do seminarista Magnos, familiares, pessoas vindas da paróquia de Porto Lucena, irmãos e irmãs.

No texto de Isaías encontramos a descrição do chamamento de um profeta. De uma forma simples e questionadora, apresenta-se o modelo de um homem que é sensível aos apelos de Deus e que tem a coragem de aceitar ser enviado. Alguém chamado por Deus a uma missão, tem consciência dos seus limites e da sua indignidade. A eleição divina dá ao profeta autoridade, apesar dos seus limites bem humanos. Isaías oferece-se sem saber ainda qual a missão que lhe vai ser confiada: manifesta desta forma a sua disponibilidade absoluta para o serviço de Deus.

Cada um de nós tem a sua história de vocação: de muitas formas Deus entra na nossa história, desafia-nos para a missão, pede uma resposta positiva à sua proposta. É preciso ter consciência que as minhas limitações e indignidades muito humanas não podem servir de desculpa para realizar a missão que Deus quer confiar-me. Ele estará presente.

 No Evangelho ouvimos:”Em atenção à tua palavra vou lançar as redes”. Reagimos e agimos orientados por critérios, desejos e inclinações que não vêm de nós mesmos mas d´Aquele que imprimiu a sua Palavra como um caminho no nosso coração.

Precisamos permanecer sob a influência da Palavra todos os dias, com abertura de mente e de coração, com o desejo e sede:”Tu és o meu Deus, por ti madrugo. Minha alma tem sede de Ti, minha carne também te deseja com ardor, como a terra seca, esgotada e sem água”(Sl 63,2).

Abeirar-se da Palavra com o coração dócil e orante, a fim de que ela penetre a fundo nos sentimentos e pensamentos e gere em nós uma nova mentalidade, o pensamento de Cristo. A nós é confiada a bela missão de anunciar a Palavra, torná-la acessível e compreensível ao povo.

Uma das principais atividades de Jesus durante o seu ministério foi ensinar às multidões e aos discípulos. Ele ensinava como quem tem autoridade. A multidão se aperta para ouvir a Palavra de Deus, um grupo de pescadores lava as redes. Suas barcas estão ancoradas, seguras e vazias. Jesus entra na barca de Simão, ensina as multidões. Depois pede que Simão avance para águas mais profundas e lance de novo as redes. E é unicamente em atenção à Palavra de Jesus que Pedro tenta de novo.

Prezados irmãos e irmãs, estamos para ordenar diácono este nosso irmão, que com satisfação contais entre vossos amigos e parentes. Convém refletir sobre as funções próprias a que é chamado. Fortalecido com o dom do Espírito Santo, deverá ele ajudar o Bispo e seu presbitério no serviço da Palavra, do altar e da caridade, mostrando-se servo de todos.  Como ministro do altar, irá proclamar o Evangelho, preparar o sacrifício e repartir entre os fiéis o corpo e o Sangue do Senhor. Além disso, por mandato do bispo, poderá exortar e instruir na sagrada doutrina, não só os não-crentes, mas também os fiéis, poderá ainda presidir as orações, administrar o Batismo, assistir e abençoar os Matrimônios, levar o Viático aos agonizantes e oficiar as exéquias.

Consagrado pela imposição das mãos, que procede dos Apóstolos, e vinculado mais intimamente ao serviço do altar, exercerá o serviço da caridade em nome do Bispo ou do Pároco. Amparado por Deus, proceda de tal modo em seu ministério, que possais reconhecê-lo como verdadeiro discípulo daquele que não veio para ser servido, mas para servir.

Quanto a ti, Magnos, que serás ordenado diácono, o Senhor te deu o exemplo para que, assim como ele fez, faças também. Em tua condição de diácono, isto é, de ministro de Jesus Cristo, que se manifestou como servidor dos seus discípulos, cumpre generosamente a sua vontade e, na caridade, serve com alegria tanto a Deus como aos seres humanos.

Como livremente procura a Ordem do Diaconado, à semelhança dos que foram escolhidos pelos Apóstolos para o serviço da caridade, deves ser homem de bem, cheio do Espírito Santo e da sabedoria.

Exercerás o teu ministério no estado do celibato: na verdade, é ele um sinal e, ao mesmo tempo, um incentivo da caridade pastoral e incomparável fonte de fecundidade no mundo. Alguns dias atrás, Magnos fez diante de testemunhas e da presença do bispo a sua profissão de fé e a declaração de que tem conhecimento do que vai assumir por toda vida de livre e espontânea vontade. Então, Magnos, por mais que tenham ventos contrários, não te deixa envolver por ideias desconexas, por furacões, mas sejas firme, consciencioso, alegre dedicando-te a tua missão de corpo e alma, não mais ou menos, mas totalmente. Não te esqueça da espiritualidade de todos os dias, o encontro pessoal com Cristo. Se tu o acolhes, Ele estará presente.

Impelido por sincero amor a Cristo e vivendo com tal dedicação neste estado, te consagrarás mais facilmente a Cristo, com um coração sem partilha; poderás dedicar-te mais livremente ao serviço de Deus e da humanidade e trabalhar com maior solicitude na obra da salvação eterna.

Enraizado e alicerçado na fé, apresenta-te de coração puro e irrepreensível diante de Deus e da humanidade, como convém a um ministro de Cristo e dispensador dos mistérios de Deus.

Não te deixes abalar em tua confiança no Evangelho, do qual és não somente ouvinte, mas servidor. Guardando o mistério da fé com a consciência pura, mostra em teus atos a palavra que proclamas, a fim de que o povo cristão, vivificado pelo Espírito Santo, se torne uma oblação pura, agradável a Deus; desta forma, também tu, no último dia, poderás ir ao encontro do Senhor e ouvir dele estas palavras: servo bom e fiel, entra na alegria do teu Senhor”. Felicito a ti, teus pais e irmã pela tua decisão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Please reload

Notícias em Destaque

Baixe o quarto Encontro Eclesial do Tempo Comum

27/8/2020

1/10
Please reload

Notícias Recentes
Please reload

CÚRIA  DIOCESANA

Rua Marquês do Herval, 1113

CEP 98801-640

Caixa Postal 1090 - CEP 98801-610

Santo Ângelo - RS – Brasil

Tel.: 55 3313-5263; 55 3313-5308

Diocese logo original.png